Emily SobralPAT

Prevenção contra o câncer ocupacional será discutida por grupo tripartite

Por Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Finalmente o Ministério do Trabalho formou um grupo tripartite (governo, empregadores e empregados) para agir contra o câncer que é ocasionado por substâncias processadas nos ambientes ocupacionais. O objetivo é que até o final do ano sejam apresentadas propostas com medidas e procedimentos de prevenção à exposição de trabalhadores a agentes cancerígenos.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o chamado ‘câncer ocupacional’ constitui de 2% a 4% dos casos da doença. Para o biênio 2018-2019, segundo o INCA, os novos 48 mil casos podem ser motivados pela exposição a agentes cancerígenos no ambiente de trabalho, quando são projetados 600 mil novos casos no País.

O benzeno, por exemplo, é uma substância carcinogênica, que está presente na indústria do petróleo e em postos de gasolina, que pode provocar a leucemia mieloide. Outro componente altamente perigoso é o amianto ou asbesto, presente na indústria têxtil e de fibrocimento, para a fabricação de telhas, caixas d’água e tubulações. Essa substância, inclusive, é motivo de luta por seu banimento em todo o território brasileiro, com ação julgada recentemente pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O asbesto pode causar fibrose pulmonar, tumor maligno da pleura e câncer de pulmão. O cromo hexavalente, utilizado na fabricação de baterias, soldas e pigmentos, aumenta o risco de câncer de pulmão e das fossas nasais.

Também os metais pesados como o níquel e cromo, a radiação ionizante e alguns agrotóxicos, além de produtos que parecem inofensivos, como poeiras de madeira, de couro e de cereais, podem aumentar o risco de um trabalhador desenvolver neoplasias malignas. A iniciativa do Ministério é bem-vinda, pois não se faz política pública na área ocupacional sem envolver empresários, empregados e governo, para concentrar esforços que visem à prevenção. As reuniões buscarão encontrar saídas práticas como a edição de novas normas técnicas, campanhas de orientação e conscientização.

www.segurancaocupacionales.com.br

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique Também

Close
Close