Emily SobralIncêndios

Meio século de normas técnicas para ambientes industriais com risco de explosão

Por Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Para quem toda semana bate ponto, escrevendo sobre os riscos de explosão em ambientes industriais, não deixaria de reproduzir, de forma bem resumida, a interessante linha do tempo das normas de instalações elétricas Ex, trazida por Roberval Bulgarelli em seu texto publicado na Revista Lumière Electric deste mês.

Ele lembra que a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), ao longo do tempo, atualizou as normas voltadas às instalações elétricas Ex, o que ajudou a elevar a segurança em planta industrial classificada. Graças ao empenho dos membros das comissões da ABNT, hoje o País já adota normas internacionais de segurança em ambientes com atmosferas explosivas.

Há cerca de meio século, o Brasil publicava normas Ex. Nos idos de 1969, a associação inaugurou o projeto Instalações Elétricas em Ambientes com Líquidos, Gases ou Vapores Inflamáveis (P NB-158), mais tarde vindo a ser a norma NBR 5418. Durante esse tempo, segundo conta Bulgarelli, foi preciso ultrapassar a fase “Frankenstein” de normas técnicas Ex, devido ao uso de diversas partes de normas estrangeiras sobre eletricidade, originárias de diversos países, para chegar às adequadas práticas de segurança do mundo à realidade brasileira. Segundo Bulgarelli, nos últimos 15 anos, a ABNT já publicou ou atualizou diversas normas. Já há uma ‘família’ de normas que incorpora itens de segurança com instalações elétricas, de instrumentação, de telecomunicações, de automação e mecânicas em instalações com atmosferas explosivas.

Atualmente, a associação já mantém um conjunto de requisitos que norteia a fabricação e ensaios de equipamentos Ex, de classificação de áreas, projeto, montagem, inspeção e manutenção no setor. O avanço das normas técnicas brasileiras sobre atmosferas explosivas das séries ABNT NBR IEC 60079 e ABNT NBR ISSO/IEC 80079 são elaboradas, mantidas e atualizadas pelas Comissões de Estudos do SubComitê SC-31 do Cobei.  “Como explica claramente Bulgarelli, a evolução normativa do Brasil foi importante, porque elevou o nível de exigência a ser aplicada às empresas que mantêm áreas com risco de explosão”, afirma Paulo Raña, engenheiro e representante da empresa espanhola ADIX, especializada na prevenção de explosões e proteção de pessoas e ativos. Segundo ele, hoje o País utiliza o sistema internacional de certificação do IECex, tanto para empresas de prestação de serviços e fabricantes, como de competência pessoal, e isso significa controlar de maneira mais eficiente a segurança ao longo do ciclo total de vida das instalações elétricas e mecânicas Ex.

 

 

 

Emily Sobral

Jornalista em SST
(11) 4238-1955 / 99655-0136
www.segurancaocupacionales.com.br

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close