Leis e NormasPAT

API SPEC Q1: a gestão da qualidade na indústria de petróleo e gás

22/08/2018 – Equipe Target

A qualidade na indústria de petróleo e gás

A API SPEC Q1:2013 – Specification for Quality Management System Requirements for Manufacturing Organizations for the Petroleum and Natural Gas Industry estabelece os requisitos mínimos do sistema de gestão da qualidade para organizações que fabricam produtos ou fornecem processos relacionados à fabricação sob uma especificação de produto para uso na indústria de petróleo e gás natural. Especifica os requisitos de um sistema de gestão de qualidade para uma organização demonstrar sua capacidade de fornecer consistentemente produtos confiáveis e processos relacionados à fabricação que atendam aos requisitos legais e do cliente.

Se uma organização realiza atividades abordadas por esta norma, nenhuma reivindicação de exclusão dessas atividades é permitida. Quando qualquer requisito desta especificação não puder ser aplicado devido à natureza de uma organização, o requisito pode ser considerado para exclusão. Onde exclusões são feitas, a base para reivindicar exclusões deve ser identificada.

Além disso, tais exclusões não podem afetar a capacidade ou responsabilidade da organização de fornecer produtos e serviços relacionados que atendam aos requisitos regulamentares aplicáveis. As exclusões estão limitadas às seguintes seções: 5.4 – Projeto e Desenvolvimento; 5.7.1.2 – Manutenção; 5.7.1.5 – Validação de Processos de Produção e Reparo; 5.7.5 – Propriedade fornecida pelo cliente; e 5.8 – Controle de equipamentos de ensaio, medição e monitoramento.

Os requisitos do sistema de gestão de qualidade especificados nesta norma estão alinhados aos requisitos da seção e formato do documento utilizado para a prestação de serviços e utilização de produtos e serviços (API Q2). Informações marcadas como “NOTA” não são requisitos, mas são fornecidas para orientação na compreensão ou esclarecimento do requisito associado.

Esta norma foi desenvolvida para melhorar os sistemas de gestão de qualidade de organizações que fabricam produtos ou fornecem serviços relacionados à fabricação sob uma especificação de produto para uso na indústria de petróleo e gás natural. Define os requisitos fundamentais do sistema de gestão da qualidade para aqueles que alegam conformidade com os requisitos desta especificação.

Os seus requisitos são consistentes com os documentos de outro sistema de gestão de qualidade, como, por exemplo, API Q2. Os requisitos são estruturados de forma a minimizar a probabilidade de não conformidade. Embora esta especificação possa incluir alguns elementos de outros sistemas de gestão (como aqueles em particular para a gestão ambiental, gestão de segurança e saúde no trabalho ou gestão de risco), ele não inclui todos os requisitos específicos desses sistemas.

A norma pode ser usada em conjunto ou independente de outros documentos especificados pelo setor. Pode ser usada por partes internas e externas, incluindo organismos de certificação, para avaliar a capacidade da organização em atender aos requisitos do cliente, estatutários e regulamentares aplicáveis ao produto e aos próprios requisitos da organização.

Esta especificação promove a integração de uma abordagem de processo na aplicação de seções específicas ao desenvolver, implementar e melhorar a eficácia de um sistema de gestão da qualidade. Fornece o controle contínuo sobre os requisitos declarados, bem como facilita a sobreposição de processos.

Para que uma organização funcione efetivamente, ela precisa determinar e gerenciar inúmeras atividades vinculadas. A atividade que transforma entradas em saídas pode ser considerada um processo. As atividades do processo incluem a determinação das necessidades em toda a organização, provisão de recursos e realização do produto, a identificação da sequência ou ordem adequada em uma série de atividades, monitorando e medindo a efetividade das atividades realizadas e a aplicação de alterações ou correções a essas atividades, conforme necessário.

Pode-se acrescentar que o petróleo é uma fonte de energia primária, em geral difícil de ser substituído no curto prazo, apresentando suas demandas de curto e médio prazo pouco elásticas a variações nos preços (ou seja, variações percentuais nos preços implicam em variações comparativamente muito menores nas quantidades demandadas). Devido a esse problema de baixa substituição, a demanda por derivados de petróleo – por conseguinte, do próprio petróleo – tem que ser realizada no curto prazo para que não haja a redução do nível de atividade econômica deste espaço, quase que independentemente do nível corrente de preços do petróleo.

Essas características e a amplitude do consumo de seus derivados (combustível automotivo, geração elétrica, calefação, etc.) fazem do petróleo uma fonte energética fundamental para a economia de todos os países. Como indústria de energia, de características de infraestrutura, a indústria de petróleo, gás e petroquímica gera bens que são insumos de difícil substituição na matriz produtiva de qualquer país, sendo estes insumos bases do modo de produção e consumo e mesmo da cultura da sociedade moderna.

Um exemplo claro desta importância são os derivados de petróleo utilizados como combustíveis para motores de combustão interna (gasolina e diesel) dos veículos utilizados em serviços de transporte, serviço de infraestrutura sem o qual nenhuma estrutura produtiva industrial moderna funcionaria. Dessa forma, a disponibilidade de petróleo e seus derivados e seus níveis de preços têm grande importância para a determinação do nível de crescimento econômico e do nível de preços das economias nacionais, pois energia e transporte são insumos necessários para produção de quaisquer bens ou serviços.

Essa indústria está assim na formação e sustentação dos alicerces da economia industrial moderna, e seu modus operandi, e, por conseguinte do modo de viver do mundo atual. A sociedade industrial parece ser uma sociedade do hidrocarboneto. Ela representa agregadamente atualmente cerca de 55,61% da oferta mundial de energia primária, e 59% das necessidades energéticas mundiais em termos da matriz de consumo energético final.

FONTE: Equipe Target

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close