Emily SobralPAT

Construção civil precisa melhorar a segurança dos trabalhadores

Por Emily Sobral Twitter: @EmilySobral       Periscope: @emiliasobral61

Não tem jeito, mas a gestão em saúde e segurança do trabalhador no setor de construção civil continua sendo um desafio aos profissionais de segurança do trabalho. Independentemente do empenho desses profissionais, é preciso ainda se buscar a adesão das construtoras no cumprimento das normas regulamentadoras. Muitos acidentes que ocorrem nos canteiros de obra devem-se à desorganização, com ferramentas e materiais em locais inadequados, assim como a fiação elétrica instalada pelo chão.

A queda de materiais também leva aos riscos que precisam ser controlados, por meio do uso de equipamento de proteção individual, assim como o de proteção coletiva, como a instalação de plataforma de segurança. As quedas também ocorrem com frequência porque o trabalhador deve usar cinto de segurança preso em algum lugar fixo, e não em andaime, como erroneamente acontece. Inclusive, os andaimes precisam ficar sobre piso nivelado e estável. Andaimes sobre rodas devem ser bem travadas durante o tempo em que o trabalhador estiver sobre eles executando suas tarefas. Além disso, os andaimes sem guarda-corpo elevam-se os riscos de acidentes. Quando há um operário num andaime, esse não pode ser movimentado.

Quedas de materiais ainda vitimam muitos trabalhadores em obras, que, por vezes, não estão usando capacetes. Também os vãos das lajes devem ser protegidos com material resistente contra quedas. Em função das gambiarras dos canteiros, o choque elétrico continua sendo um dos acidentes mais recorrentes em obras. A serra circular, sem o uso da coifa de segurança, resulta em graves acidentes, que podem levar à morte.

Como se vê, a insegurança no setor de construção civil ainda faz parte da realidade brasileira, especialmente em empresas pequenas. Sabemos que as grandes empreiteiras, como OAS e Odebrecht, são mais profissionais quando o assunto é segurança do trabalho. Em contrapartida, seus dirigentes viviam fazendo gambiarras nas salas dos ministérios em Brasília.

Cala-te, boca!

www.segurancaocupacionales.com.br

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close