Leis e NormasSegurança patrimonial e eletrônica

Os espaços para o cabeamento estruturado

A NBR 16415 de 08/2015 – Caminhos e espaços para cabeamento estruturado especifica a estrutura e os requisitos para os caminhos e espaços, dentro ou entre edifícios, para troca de informações e cabeamento estruturado de acordo com a NBR 14565. Também influencia a alocação de espaço no interior do edifício. São considerados nesta norma edifícios monousuário e multiusuários. Não cobre os aspectos de segurança do projeto do edifício, medidas de contenção de incêndio ou sistemas de telecomunicações que requeiram quaisquer tipos especiais de medidas de segurança. Os requisitos de segurança elétrica, incêndio e compatibilidade eletromagnética estão fora do escopo desta norma.

Para conformidade com esta norma, os requisitos descritos nas Seções 5, 6, 7 e Anexos A e B devem ser atendidos. Toda infraestrutura metálica, componentes e suportes devem ser vinculados e aterrados em conformidade com a NBR 5410. A figura abaixo mostra as relações entre os elementos dos caminhos e espaços para cabeamento estruturado dentro de um edifício monousuário.

Alguns critérios se aplicam a todos os espaços de telecomunicações. Devem ser adequadamente iluminados e livres de poeira. A iluminação deve ser no mínimo de 500 lux no ponto de terminação. Recomenda-se que uma parede seja revestida com compensado com tratamento antichama, fixado rigidamente, com espessura de 20 mm e altura de 2,4 m, capaz de sustentar equipamentos e terminações e os interruptores de luz devem ser de fácil acesso e devem estar localizados próximos à entrada da sala.

Recomenda-se uma altura de instalação de 1 m a partir do piso acabado, uma a abertura da porta da sala de equipamentos deve ser de tamanho adequado para permitir a passagem e instalação dos equipamentos e o piso, as paredes e o teto devem ser construídos de modo a reduzir a quantidade de pó e/ou outros contaminantes no interior do espaço. Os acabamentos devem ser de cor clara para melhorar a iluminação do espaço e devem ser selecionados materiais de piso com propriedades antiestáticas.

Os circuitos elétricos independentes devem ser dimensionados para a alimentação dos equipamentos instalados no espaço e as considerações climáticas devem ser aplicadas nas salas de equipamentos e salas de telecomunicações. Recomenda-se que a temperatura do ar ambiente, no interior do espaço, permaneça entre 18 °C e 27 °C. A umidade relativa do ar deve ser no mínimo de 30 % e no máximo de 60 %.

A temperatura máxima do ponto de condensação deve estar entre 5,5°C e 15°C, dependendo da umidade relativa do ar. A máxima variação de temperatura do ar ambiente é de 5 °C em 1 h. O aterramento e a equipotencialização devem atender às especificações da NBR 5410 e as medidas de proteção contra sobretensão e descargas atmosféricas devem atender às especificações da NBR 5410 e NBR 5419.

O espaço de entrada é o local que recebe os cabos de backbone de campus e edifício, bem como os circuitos de provedores de acesso e serviços externos, deve estar localizado em área seca não sujeita a inundações. Deve-se levar em consideração que esse espaço necessita de alimentação elétrica em conformidade com a NBR 5410. A infraestrutura de entrada é de responsabilidade do proprietário do edifício.

A decisão entre utilizar uma sala ou um espaço deve basear-se nos critérios segurança, quantidade de cabos, tipo de protetores, tamanho do edifício e localização física dentro do edifício. Seu dimensionamento deve levar em consideração expansão futura, bem como os requisitos atuais. Um espaço de entrada para serviços por antena deve ser projetado conforme 5.2.2 e deve estar localizado tão próximo quanto possível do pátio de antenas.

Se dispositivos de interface de rede e equipamentos de telecomunicações são requeridos na sala de entrada, espaço adicional será necessário e pode combinar as características de um espaço de entrada do edifício e de uma sala de equipamentos. Ele é normalmente usado como um espaço separado em edifícios multiusuários para servir a todos os ocupantes.

O espaço de entrada deve abrigar apenas instalações diretamente relacionadas ao sistema de cabeamento estruturado e seus sistemas de suporte. Equipamentos não relacionados ao suporte da sala de telecomunicações (por exemplo: canalização de água, gás, esgoto, dutos em geral etc.) não podem ser instalados, passar ou entrar no espaço de entrada.

O espaço para terminação de serviços por antena destina-se ao abrigo de equipamentos e conexões para os sistemas de antenas; deve-se localizar em posição mais próxima possível das antenas, bem como suas estruturas verticais. Este espaço é mostrado na figura acima e deve ser dimensionado conforme o espaço de provedor de acesso e serviço especificado. Este espaço pode ser aberto, porém, se for construído para esta finalidade, recomenda-se que o pé-direito seja de no mínimo 2 m.

Deve haver comunicação física entre este espaço e a infraestrutura de distribuição de cabos pelo edifício (shaft ou prumada). Deve-se prover este espaço com circuitos de alimentação elétrica adequada aos equipamentos que devem ser instalados de acordo com a ABNT NBR 5410. As salas de equipamentos normalmente contêm uma grande parte dos equipamentos de telecomunicações, terminações de cabos e distribuidores.

Elas podem ser consideradas como salas para atendimento de todo o edifício ou campus. Uma sala de equipamentos pode exercer as funções de qualquer espaço de telecomunicações. A sala de equipamentos não pode ser contígua com espaços próximos a componentes ou estruturas do edifício que impeçam sua expansão, como paredes fixas, caixas de escada, poços de elevadores, etc.

O acesso para a entrada de equipamentos de grande porte na sala de equipamentos deve ser previsto na fase de projeto. A sala de equipamento deve ser implementada o mais próximo possível do backbone de edifício. A capacidade de carga de piso da sala de equipamentos deve ser dimensionada para suportar cargas concentradas e distribuídas dos equipamentos a serem instalados neste espaço.

A sala de equipamentos não pode ser implementada em localidades sujeitas à inundação e infiltração de água (subsolos de edifícios devem ser evitados). Este espaço deve estar livre de encanamentos de água ou dreno que não sejam requeridos para suportar os equipamentos ali instalados. Um encanamento de dreno deve ser considerado dentro da sala em caso de risco de entrada de água neste espaço.

O projeto da sala de equipamentos deve levar em consideração os requisitos para os sistemas de climatização conforme descritos em 5.1. Recomenda-se que a sala de equipamentos seja implementada em localidades não sujeitas à interferência eletromagnética. Atenção especial deve ser dada a transformadores elétricos, poços de distribuição de energia elétrica, transformadores, motores, geradores, reatores de lâmpadas, equipamentos de raios X, transmissores de rádio, bem como outras fontes potenciais de interferência.

A sala de equipamentos deve ser dimensionada para atender aos requisitos específicos dos equipamentos. Este dimensionamento deve considerar os requisitos atuais e futuros dos equipamentos a serem instalados neste espaço. Onde uma sala ou espaço for dimensionado para abrigar mais do que a sala de equipamentos propriamente dita (quando for também utilizada como infraestrutura de entrada, por exemplo), suas dimensões devem ser aumentadas de modo a atender aos requisitos específicos para estes espaços.

As seguintes especificações devem ser observadas no projeto de uma sala de equipamentos: deve ser preparada para conter os equipamentos de telecomunicações, redes, terminações dos cabos e distribuidores associados; deve ser dedicada à função de telecomunicações e redes; o acesso a este espaço deve ser restrito ao pessoal de manutenção autorizado; deve apenas abrigar os equipamentos diretamente relacionados ao sistema de cabeamento estruturado e telecomunicações; deve conter os sistemas de suporte à segurança, incêndio e ao ambiente; deve evitar áreas que possam limitar sua expansão, como elevadores e paredes fixas.

Quando possível, em um edifício de múltiplos andares, recomenda-se que a sala de equipamentos seja localizada no andar intermediário para possibilitar um fácil acesso do cabeamento à sala de telecomunicações nos outros andares. Deve estar localizada em uma área que permita expansão futura e ser acessível aos elevadores de carga para entrega de equipamentos de grande porte.

Deve estar localizada acima do nível da água e protegida de infiltrações, evitando-se a presença de canos de água e de drenagem. Sistemas de drenagem no piso são recomendados se houver riscos de ingresso de água neste espaço. O tamanho da sala de equipamentos deve levar em consideração todos os tipos de equipamentos exigidos e quaisquer requisitos de hardware de conexão, incluindo as necessidades atuais e futuras.

Quando equipamentos de uso específico não são conhecidos, o tamanho recomendado da sala de equipamentos deve ser de no mínimo de 0,07 m² para cada 10 m² de espaço de área de trabalho. Em um ambiente onde a densidade de usuários é muito grande, a área da sala de equipamentos deve ser aumentada de acordo com esta densidade.

Quando equipamentos de uso específico não são conhecidos, o tamanho da sala de equipamentos deve levar em consideração tanto os distribuidores de backbone quanto os horizontais, bem como as conexões aos equipamentos, áreas de trabalho do pessoal de manutenção, espaços livres e para circulação de pessoas. Em edifícios multiusuários, uma sala de equipamentos pode estar localizada em um espaço que seja comum a todos os usuários, ou cada um pode ter sua própria sala de equipamentos (ver Anexo A).

Em edifícios de uso especial (hospitais, hotéis, universidades etc.), o tamanho da sala de equipamentos deve basear-se no número conhecido de áreas de trabalho em relação à área útil do andar. A sala de telecomunicações deve estar preparada para instalação de equipamentos de telecomunicações, terminações de cabo e respectivos cabos de conexão cruzada.

Recomenda-se que a sala de telecomunicações esteja localizada o mais próximo possível do centro da área atendida e da prumada do edifício. Os caminhos horizontais devem terminar na sala de telecomunicações, localizada no mesmo pavimento da área atendida ou em pavimentos adjacentes. O espaço da sala de telecomunicações deve ser dedicado à função de telecomunicações e respectivas instalações e não pode ser compartilhado com outras instalações elétricas, além das dedicadas a telecomunicações.

Devem ser disponibilizadas tomadas elétricas dedicadas em circuitos separados, para conectar equipamentos ativos, em quantidade e localização de acordo com as necessidades de projeto. Tomadas elétricas de uso geral devem ser consideradas em circuito separado dos dedicados a equipamentos de telecomunicações. Para a distribuição de energia elétrica, ver NBR 5410.

Equipamentos e infraestrutura não relacionados a telecomunicações (por exemplo: canalização de água, gás, esgoto, etc.) não podem ser instalados, atravessar ou entrar nesse espaço. O projeto da sala de telecomunicações deve considerar um sistema de ventilação e/ou climatização conforme descritos em 5.1, com o objetivo de evitar o sobreaquecimento dos equipamentos ativos instalados.

Para áreas de edifício onde é difícil adicionar tomadas de telecomunicações após a instalação inicial, um mínimo de duas localidades, separadas para tomadas de telecomunicações, deve ser considerado na etapa de projeto para aquela área de trabalho. Elas devem ser localizadas para oferecer a máxima flexibilidade para mudança dentro da área de trabalho, por exemplo, em paredes opostas dentro de um espaço privado de escritório.

As localidades para as tomadas de telecomunicações podem ser adequadas ao leiaute do mobiliário de escritório. No mínimo uma tomada de alimentação elétrica deve ser instalada próxima a cada tomada de telecomunicações. Caminhos independentes e diretos devem ser providos desde áreas com altas demandas de equipamentos de telecomunicações (centros de controle, sala de servidores etc.), para atendimento de salas de telecomunicações e salas de equipamentos.

O espaço do provedor de serviço, quando presente, pode combinar as características de sala de entrada e sala de equipamentos. Este espaço é normalmente usado como um espaço separado em um edifício multiusuário para servir a todo o edifício. Os caminhos de cabos dentro de edifícios podem ser implementados para atender a ambos os subsistemas de cabeamento horizontal e de backbone e podem ser compostos por subdutos.

Por motivos de segurança da instalação, os caminhos de cabos, quando implementados com materiais metálicos, devem ser aterrados e atender aos requisitos de aterramento e equalização da NBR 5410. Os caminhos de cabos devem ser projetados conforme os requisitos do cabeamento a ser instalado em conformidade com a NBR 14565 e/ou NBR 16264. A quantidade e as dimensões dos cabos, seus raios mínimos de curvatura, bem como previsão para expansão futura devem ser considerados para o dimensionamento do caminho.

Os caminhos de cabos devem ser instalados em locais secos, não sujeitos à inundação, e devem oferecer proteção mecânica aos cabos; poços de elevadores e caixas de escadas não podem ser utilizados para este fim. O cabeamento estruturado deve ser instalado em compartimentos (eletrodutos, eletrocalhas, etc.) dedicados a este e não pode utilizar a mesma infraestrutura de distribuição que os cabos elétricos. Em situações em que o cabeamento estruturado compartilha o mesmo shaft dentro do edifício com os cabos elétricos, isso deve ser feito em conformidade com as IEC 60364-4-41, IEC 60364-4-44 e IEC 60364-5-52.

Para ajudar a minimizar os efeitos de interferência eletromagnética entre o cabeamento estruturado e o cabeamento elétrico, recomenda-se a separação dos caminhos utilizados, o uso de barreiras na infraestrutura de distribuição e a separação dentro de caixas nas quais sejam terminados ambos os sistemas de cabeamento. A separação deve ser mantida ao longo de todo o caminho.

FONTE: Equipe Target

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close