Incêndios

“Essa situação mexe com a gente”, diz bombeiro que tirou menina de incêndio

Apesar dos esforços do sargento Pádua, Nicole não resistiu

Emocionado, o sargento do Corpo de Bombeiros Theodulo de Pádua Melo Sobrinho relatou como se arriscou para resgatar a menina Nicole Araújo, de 4 anos, do incêndio na manhã desta quinta-feira, na região do Center Park, em Campo Grande. Para agir rápido, ele respirou fundo e entrou na casa sem equipamento de proteção individual. A vítima foi encontrada inconsciente em um dos quartos e, apesar dos esforços do bombeiro, ela não resistiu e morreu em uma viatura do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), onde os socorristas tentaram o possível para reanimá-la.

Apesar da experiência, o sargento Pádua não conseguiu esconder os sentimentos ao relatar o trabalho realizado. Com a voz embargada, reconheceu que “não é feito de ferro”. “A gente também é ser humano né. Sou pai e esse tipo de situação mexe com a gente”, comentou o bombeiro, lembrando que, por estar lotado no Batalhão do Coronel Antonino, era a equipe mais próxima. “Quando cheguei aqui, outras equipes estavam se preparando. Os moradores estavam no local e diziam que ainda tinha uma criança presa na casa. Por isso entrei logo, sem equipamentos de proteção”, explicou.

Conforme já noticiado, o incêndio teve início por volta das 07h30, na residência localizada na Rua Aurélio Leonardo de Souza. Quatro pessoas foram atingidas. Patrícia Ximenes Araújo, de 29 anos, mãe de Nicole, teve queimaduras e foi socorrida em estado grave e levada para a Santa Casa. Uma pastora identificada apenas como Rose e a filha de criação dela, de 12 anos, inalaram fumaça e também foram encaminhadas para o hospital, mas não correm risco. Nicole foi a última pessoa a deixar a residência. As demais conseguiram fugir pela janela, mas a menina correu para o quarto.

O RESGATE

O construtor Paulo Sérgio dos Santos Alves, de 47 anos, foi uma das primeiras pessoas a chegar. Ele tinha ido deixar a esposa que trabalha em uma casa ao lado do imóvel incendiado. “Eu já estava saindo quando ela [esposa] me ligou dizendo para voltar, porque a casa ao lado estava pegando fogo e tinha gente pedindo ajuda”, explicou. Quando ele chegou, vizinhos haviam acabado de arrombar o portão. “Falavam que tinha uma menina lá dentro, mas a mãe estava desesperada e não sabia dizer certo onde a criança estava. Procuramos no quarto da esquerda, mas não achamos ela”, disse.

Paulo viu a hora em que o sargento Pádua chegou e rapidamente localizou a menina. “Ele foi corajoso, entrou de uma vez e já saiu com ela”, disse o construtor, assustado com a cena que viu. “Não dava para entrar porque o fogo estava muito alto”. O bombeiro inicialmente foi para o quarto da esquerda, indicado pela mãe. “Revirei o guarda-roupa e tirei as coisas do lugar, mas não achei ela”, disse Pádua que, em seguida, foi para o quarto da direita. “Não dava para ver nada nos cômodos, de tanta fumaça, mas então fui para o quarto da direita, onde achei ela caída ao lado da cama”.

Os socorristas do Samu tentaram reanimar a menina, mas sem sucesso. Ainda não há indícios sobre o que pode ter causado o fogo. Os bombeiros constataram que a casa estava sem energia e por isso as moradoras tinham puxado um fio da casa vizinha. No entanto, não é possível apontar se, de fato, houve pane elétrica. O fogo atingiu, principalmente, a sala de TV e dois quartos. A Polícia Civil e a perícia técnica foram acionadas e também estiveram no local, pois não é descartada possibilidade de incêndio criminoso. Laudos periciais devem auxiliar no esclarecimento dos fatos.

 

 

https://www.correiodoestado.com.br/cidades/emocionado-bombeiro-conta-como-se-arriscou-para-tirar-menina-incendio/337420/

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close