IncêndiosLeis e Normas

Os símbolos na proteção contra incêndio

Prevenir incêndios é tão importante quanto saber apagá-los ou mesmo saber como agir corretamente no momento em que eles ocorrem. O início de incêndio e outros sinistros de menor vulto podem deixar de transformar-se em tragédia, se forem evitados e controlados com segurança e tranquilidade por pessoas devidamente treinadas. Na maioria das vezes, o pânico dos que tentam se salvar. O mais correto inclusive é que todos os trabalhadores ou usuários da edificação coloquem em prática as normas estabelecidas sobre os cuidados preventivos e o comportamento diante do incidente, promovendo exercícios, através da simulação de incêndios. Esse tipo de prática contribui suficientemente para a prevenção e a segurança de todos. Mas para efetuar essa operação é necessário um fator indispensável, a existência – em perfeito estado de uso e conservação – de equipamentos destinados a combater o incêndios.

Da Redação –

O fogo, ou combustão, é uma reação química na qual uma substância se combina com o oxigênio e o calor é liberado. O fogo ocorre geralmente quando uma fonte de calor entra em contato com um material combustível com a presença de oxigênio em uma reação em cadeia não inibida; mas sem uma cadeia de reação, pode ser produzido um fogo incandescente de superfície, profundamente arraigado.

Assim, existem três condições essenciais para o fogo: combustível, oxigênio e calor (ou fonte de ignição). Estas três condições são frequentemente representadas como o triângulo do fogo. Se uma dessas condições estiver faltando, o fogo não ocorrerá; e se uma delas for removida, o fogo se extingue.

Cada mistura ar-combustível tem uma relação ótima, no ponto em que a combustão será mais eficiente. Esta relação ocorre na mistura ou próxima dela, conhecida como relação estequiométrica.

Quando a quantidade de ar está em equilíbrio com a quantidade de combustível (ou seja, após a queima, não há combustível não utilizado nem ar não utilizado), a queima é referida como estequiométrica. Esta condição raramente ocorre em incêndios, exceto em certos tipos de incêndios de gás.

Dessa forma, um gás inflamável queima no ar em uma faixa limitada de composição. Abaixo de certa concentração, o limite inferior de inflamabilidade, a mistura é muito fraca para queimar ou explodir. Enquanto acima de uma certa concentração, o limite superior de inflamabilidade, a concentração é muito rica para queimar ou explodir. A concentração entre esses dois limites constitui o intervalo inflamável.

O ponto de inflamação é a temperatura mínima na qual um líquido libera vapor dentro de um recipiente de teste em concentração suficiente para formar uma mistura inflamável com ar próximo à superfície do líquido. Ele é normalmente uma indicação de suscetibilidade à ignição e é determinado aquecendo o líquido no equipamento de teste e medindo a temperatura na qual um clarão será obtido quando uma pequena chama é introduzida na zona de vapor acima da superfície do líquido.

Um recipiente fechado padrão é usado para determinar o ponto de fulgor em taça fechada e um prato de superfície aberta padrão para a temperatura do ponto de fulgor em taça aberta, conforme especificado pela American Society for Testing and Materials (ASTM). O líquido combustível líquido tem um ponto de fulgor igual ou superior a 100ºF (37,8ºC), o líquido inflamável é qualquer líquido com ponto de inflamação inferior a 100ºF (37,8ºC), exceto qualquer mistura que tenha componentes com pontos de inflamação de 100ºF (37,8ºC) ou mais, cujo total perfaz 99% ou mais do volume total da mistura.

Os seguintes fatores são considerados como fonte de ignição: chamas, calor direto e superfícies quentes (cigarros, equipamentos de processamento a quente, etc.); soldagem e corte; faíscas mecânicas; energia química; veículos; incêndio culposo; autoaquecimento; eletricidade estática; e equipamento elétrico. O fogo normalmente cresce e se espalha por queima direta que resulta do choque da chama em materiais combustíveis, por transferência de calor ou pelo deslocamento de material em chamas.

Os modos de transferência de calor são condução, convecção ou radiação. Todos eles são significativos na transferência de calor de incêndios. A condução é importante para permitir que o calor passe através de uma barreira sólida e incendeie o material do outro lado.

A taxa e o padrão de desenvolvimento do fogo dependem de uma relação complexa entre o combustível em combustão e o ambiente circundante. Em queimadas confinadas, a coleta de calor no topo da sala pode elevar a temperatura do teto e produzir um grande corpo de fumaça em alta temperatura. A radiação desta parte superior do espaço pode aumentar significativamente a taxa de liberação de calor de um item em combustão.

O calor de um incêndio ao ar livre sobe como uma coluna de gás quente chamado de pluma. O fluxo de ar resultante retira o ar frio da base do fogo de todas as direções. O ar frio também é atraído para a pluma acima do nível do solo pela massa móvel de ar quente. Esse influxo de ar frio na pluma é chamado de arrasto e resulta em temperaturas menores com o aumento da altura na pluma.

Em incêndios não confinados, quando não há teto sobre eles, e o fogo está longe de paredes, os gases quentes e a fumaça da pluma continuam subindo verticalmente até que se resfriem à temperatura do ar ambiente. Nesse ponto, a fumaça se estratificará e se difundirá no ar. Tais condições existiriam para um fogo ao ar livre.

As mesmas condições podem existir em um incêndio em um prédio nos estágios iniciais, quando a pluma é pequena ou se o fogo está em um espaço de grande volume com um teto alto, como um átrio. O fogo espalhado não confinado será principalmente por ignição radiante de combustíveis próximos. A taxa de dispersão em materiais sólidos geralmente será lenta, a menos que seja auxiliada pelo movimento do ar (vento no caso de incêndios ao ar livre) ou superfícies inclinadas que permitam o pré-aquecimento do combustível.

Em incêndios confinados, quando as plumas interagem com o teto ou paredes de um compartimento, o fluxo de fumaça e gases quentes e o crescimento do fogo serão afetados. As baixas descargas de calor, longe de paredes ou outras superfícies delimitadoras, como as costas de um sofá, comportam-se como se estivessem ao ar livre.

Quando existe um teto sobre um incêndio, e o fogo está longe das paredes, os gases quentes e a fumaça na pluma ascendente atingem a superfície do teto e se espalham em todas as direções até serem interrompidos por uma parede intermediária. À medida que os gases quentes fluem para longe da linha central da pluma sob o teto, uma camada fina é formada.

O calor é conduzido desta camada para o teto mais frio acima, e o ar frio é arrastado por baixo. Esta camada é mais profunda e mais quente perto da linha central da pluma e se torna menos profunda e mais fria à medida que a distância da linha central da pluma aumenta.

Confirmada em dezembro de 2015, a NBR 14100 de 05/1998 – Proteção contra incêndio – Símbolos gráficos para projeto estabelece símbolos para serem utilizados nos projetos de proteção contra incêndio nas áreas de arquitetura, engenharia, construção e áreas correlatas, para prover detalhes sobre os equipamentos de proteção contra incêndio, combate ao fogo e meios de fuga em desenhos para projeto, construção, reforma ou certificação (aprovação). Esta norma especifica, onde é possível, a forma geométrica básica para distinção de cada uma das categorias de sistemas de proteção consideradas.

Um conjunto de símbolos suplementar também foi especificado, o qual, quando colocado no interior da forma geométrica básica, dá o seu significado. Estes símbolos suplementares definem, por exemplo, se os sistemas ou dispositivos de extinção são do tipo pó químico, gás ou espuma, ou se são ativados automática ou manualmente por calor, fumaça ou chama.

Os dispositivos que não pertencem a nenhuma das categorias definidas apresentam símbolos exclusivos. As dimensões dos símbolos devem estar todas em uma mesma escala proporcional à escala de qualquer desenho e projeto.

Caso seja conveniente, a área pontilhada existente no interior de alguns dos símbolos pode ser substituída por hachuras ou pode ser pintada de preto, onde a área do símbolo se apresentar com dimensões reduzidas. Os símbolos podem ser suplementados por figuras detalhadas, números ou abreviaturas.

Os significados de todos os símbolos utilizados devem ser representados em uma legenda, de forma clara e de fácil identificação pelo leitor. Um exemplo de aplicação é apresentado no anexo A (informativo). Dessa forma, essa norma estabelece símbolos para serem utilizados nos projetos de proteção contra incêndio nas áreas de arquitetura, engenharia, construção e áreas correlatas, para prover detalhes sobre os equipamentos de proteção contra incêndio, combate ao fogo e meios de fuga em desenhos para projeto, construção, reforma ou certificação (aprovação).

Símbolos básicos

fogo3

Símbolos suplementares a serem inseridos nos símbolos básicos
fogo4Aplica-se a: equipamentos portáteis de extinção; sistemas fixos de extinção de incêndio; sistemas de hidrante; outros equipamentos variados de extinção; equipamentos de controle predial; dispositivos de alarme; sistemas de ventilação; rotas de escape; zonas de risco de incêndio e explosão. Para os efeitos desta norma, aplicam-se as algumas definições. O abrigo de mangueira é o compartimento destinado a guardar e proteger mangueiras e acessórios.

O avisador é o dispositivo previsto para chamar a atenção de todas as pessoas dentro de uma área de perigo, controlado pela central e o avisador sonoro é o dispositivo que emite sinais audíveis de alerta. O avisador sonoro visual é o dispositivo que emite sinais audíveis e visíveis de alerta combinados. O avisador visual é o dispositivo que emite sinais visuais de alerta.

A bomba com motor a explosão é um equipamento para combate a incêndio cuja força provém da explosão do combustível misturado ao ar e a bomba com motor elétrico é um equipamento para combate a incêndio cuja força provém da eletricidade. A central de alarme é um equipamento destinado a processar os sinais provenientes dos circuitos de detecção, convertê-los em indicações adequadas, comandar e controlar os demais componentes do sistema.

O detector automático de incêndio é um dispositivo que, quando sensibilizado por fenômenos físicos e/ou químicos, detecta princípios de incêndio, podendo ser ativado, basicamente, por calor, chama ou fumaça. O extintor de incêndio é um aparelho de acionamento manual normalizado, portátil ou sobre rodas, destinado a combater princípios de incêndio.

O grupo motogerador é um equipamento cuja força provém da explosão do combustível misturado ao ar, com a finalidade de gerar energia elétrica. O hidrante de coluna é um ponto de tomada de água instalado na rede particular, com tubulação emergente do solo. O hidrante de parede é um ponto de tomada de água instalado na rede particular, embutido em parede, podendo estar no interior de um abrigo de mangueira.

O hidrante público é um ponto de tomada de água provido de dispositivo de manobra (registro) e união de engate rápido, ligado à rede pública de abastecimento de água, podendo ser emergente (de coluna) ou subterrâneo (de piso). Já a iluminação de balizamento é um sistema composto por símbolos iluminados que indicam a rota de fuga em caso de emergência e a iluminação de emergência de aclaramento é um sistema composto por dispositivos de iluminação de ambientes para permitir a saída fácil e segura das pessoas para o exterior da edificação, bem como proporcionar a execução de intervenção ou garantir a continuação do trabalho em certas áreas, em caso de interrupção da alimentação normal.

O registro de paragem é um dispositivo hidráulico manual, destinado a interromper o fluxo de água das instalações hidráulicas de combate a incêndio em edificações, o registro de recalque é um dispositivo hidráulico destinado a permitir a introdução de água proveniente de fontes externas, na instalação hidráulica de combate a incêndio das edificações e a válvula de retenção é um dispositivo hidráulico destinado a evitar o retorno da água para o reservatório.

Enfim, a prevenção de incêndios é essencial para o negócio. Esse processo acontece antes mesmo de os incêndios começarem. Uma das ferramentas mais eficazes para a prevenção de incêndios é uma inspeção. Quando usadas regularmente em todos os locais da empresa, podem identificar áreas vulneráveis nas instalações e, uma vez identificadas, podem ser solucionadas.

Essas áreas vulneráveis podem ser as tomadas elétricas sobrecarregadas, sistemas mantidos de forma inadequada e materiais armazenados incorretamente. Uma vez que esses problemas tenham sido identificados, é importante tomar as medidas necessárias para remover a ameaça e garantir que ela não volte a ser assim. Ao usar inspeções regulares, pode-se trabalhar para evitar incêndios nas empresas.

Já a proteção contra incêndio é uma combinação de diferentes equipamentos e procedimentos de segurança que são usados para se defender dos incêndios. Embora seja diferente para todas as empresas, existem alguns elementos que devem ser encontrados em todas as instalações comerciais.

A proteção contra incêndios geralmente inclui equipamentos como alarmes de incêndio, extintores e sistemas de sprinklers. Juntos, esses sistemas trabalham para garantir que local fique constantemente protegido. Quando combinados, esses sistemas funcionam para fornecer ao espaço comercial a melhor proteção contra incêndio.

 

 

https://revistaadnormas.com.br/2019/04/16/os-simbolos-na-protecao-contra-incendio/

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique Também

Close
Close