Leis e NormasPAT

API RP 755: a gestão de risco de fadiga para pessoal das indústrias petroquímicas

Equipe Target
A fadiga no local de trabalho em indústrias petroquímicas
A API RP 755:2019 – Fatigue Risk Management Systems for Personnel in the Refining and Petrochemical Industries, Second Edition fornece orientação a todas as partes interessadas (por exemplo, funcionários, gerentes, supervisores) para entender, reconhecer e gerenciar a fadiga no local de trabalho. Os gestores e operadores devem estabelecer políticas e procedimentos para atender ao propósito dessa norma.
Este documento foi desenvolvido para refinarias, operações petroquímicas e químicas, plantas de liquefação de gás natural e outras instalações, como as abrangidas pelo OSHA Process Safety Management Standard, 29 CFR 1910.119. Este documento destina-se a ser aplicado a uma força de trabalho que esteja viajando diariamente para um local de trabalho.
A RP 755 se aplica a todos os funcionários que trabalham em turnos noturnos, turnos rotativos, horas/dias estendidos ou chamadas envolvidas em ações sensíveis à segurança de processo. Também deve ser considerado para outros que tomam decisões sensíveis ao processo. Empreiteiros no local envolvidos em ações sensíveis de segurança de processos devem ter sistemas de gerenciamento de risco de fadiga equivalentes aos critérios descritos neste documento.
A API divulgou a segunda edição das diretrizes do setor de refino e petroquímica para melhorar a segurança do trabalhador, abordando a fadiga como um fator de risco. Um comitê voluntário de consenso da indústria que incluiu trabalhadores, associações comerciais nacionais, proprietários/operadores da indústria e engenheiros do setor reunidos para promover e atualizar essa norma que se baseia-se na primeira edição que foi desenvolvida com base numa recomendação do Conselho de Segurança Química em 2007, após um incidente em uma refinaria.
Essa norma foi designada como uma norma nacional americana pelo American National Standards Institute (ANSI), a autoridade sobre as normas dos EUA. Ela fornece orientação para funcionários, gerentes e supervisores sobre a compreensão, reconhecimento e gerenciamento de fadiga no local de trabalho. Também descreve como os proprietários e operadores devem estabelecer políticas e procedimentos para abordar esses problemas no local de trabalho.
A segunda edição da API da RP 755 melhora ainda mais a norma original, com mudanças significativas da primeira edição que incluem várias modificações. Por exemplo, os limites de horas de serviço: a segunda edição da RP 755 diminui as oportunidades de mal-entendidos, com as diretrizes atualizadas aplicáveis a todos os funcionários envolvidos em ações sensíveis à segurança de processos, incluindo como gerenciar as chamadas (posições cobertas).
Há uma nova orientação sobre o ambiente de trabalho: a segunda edição inclui novas exigências em relação à avaliação de iluminação e fadiga com base nos avanços da ciência desde a primeira edição. Houve um acréscimo sobre a avaliação de risco individual e mitigação, o que reflete a crescente disponibilidade de tecnologia que pode detectar a fadiga e inclui orientação usando ferramentas objetivas e validadas para avaliar a fadiga.
Como resultado da investigação do Chemical Chemicals and Hazard Investigation Board (CSB) de um incidente de refinaria em 2005, a CSB emitiu várias recomendações, incluindo o desenvolvimento de diretrizes de prevenção de fadiga para as indústrias refinadoras e petroquímicas que, no mínimo, limitam horas e dias trabalho e mudança de endereço. Este documento foi desenvolvido para refinarias, operações petroquímicas e químicas, plantas de liquefação de gás natural e outras instalações, como as abrangidas pelo OSHA Process Safety Management Standard, 29 CFR 1910.119. Este documento destina-se a ser aplicado a uma força de trabalho que esteja viajando diariamente para um local de trabalho.
A RP 755 se aplica a todos os funcionários que trabalham em turnos noturnos, turnos rotativos, horas / dias estendidos ou chamadas envolvidas em ações sensíveis à segurança de processo. Também deve ser considerado para outros que tomam decisões sensíveis ao processo. Empreiteiros no local envolvidos em ações sensíveis de segurança de processos devem ter sistemas de gerenciamento de risco de fadiga equivalentes aos critérios descritos neste documento.

FONTE: Equipe Target

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close