NOTÍCIAS CORPORATIVASPAT

Profissão concurseiro(a): o que é preciso saber antes de se aventurar?

Em entrevista, professor João Duque informa o que é preciso saber para ser um concurseiro.

Dino

Contemporaneamente os concursos públicos se consolidaram em alternativa para quem quer se inserir no mercado de trabalho ou, inclusive, fugir do desemprego no país, que já atinge 13,387 milhões de brasileiros no primeiro trimestre de 2019, de acordo com dados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Entretanto, antes de se aventurar na “profissão concurseiro” vale ficar atento às dicas do entrevistado, o Professor e Coach para concursos da carreira de Defensor Público, João Duque.

O que é preciso para passar em concursos públicos?

João Duque – Concordo com o guru dos concursos William Douglas, autor do livro “Como passar em provas e concursos”, quando ele afirma que existem três grandes pilares para quem quer passar em concursos. O primeiro deles é a organização e planejamento. O segundo é como estudar e o terceiro é como fazer uma prova.

O candidato deve saber planejar como organizar e planejar seus estudos; definir qual(is) técnica(s) vai utilizar, de fato, para estudar; aprender a responder provas.

O primeiro passo que considero fundamental é a delimitação de qual área (jurídica, fiscal, policial…) e cargo você deve se preparar de acordo com seu perfil. É preciso se imaginar na carreira almejada. Essa escolha é muito importante para definir sua estratégia de preparação.

Em regra, o candidato a um certame da área jurídica (e outras igualmente), por exemplo, deve focar seu estudo em 4 (quatro) pilares: lei “seca”, doutrina, jurisprudência e questões.

Quanto a características pessoais o estudante deve ser resiliente, as aprovações não são instantâneas. O normal é reprovar e demorar anos até estar apto a passar em provas.

Passar em concurso público é um projeto de médio a longo prazo que demandará estudo, persistência e disciplina..

Qual a melhor técnica/método de estudo?

JD – Não existe melhor método de estudo. Costumo dizer que a melhor técnica é a que o estudante rende mais e naquele momento. Cito o exemplo da nossa própria casa, somos 3 (três) irmãos que passaram em concursos utilizando de métodos distintos em diversos aspectos (um estudava 1 matéria por dia, outro esgotava a matéria para passar para a seguinte, outro lia várias matérias por dia).

Por exemplo, há quem renda mais ouvindo áudios, outro copiando, outro assistindo aulas, fazendo resumos, mnemônicos, flash cards. Há quem renda mais pela manhã e outro de noite.

A personalização dos métodos de estudo é a chave do seu caminho. Pesquise sobre métodos de estudo de pessoas experientes em concursos, teste se elas realmente funcionam, e depois utilize o que achar mais eficiente.

Não mude sua fonte de material de estudos a todo momento.

Quais as maiores dificuldades observadas pelos concurseiros?

JD – Em mais de 12 (dez) anos atuando como concurseiro, professor e coach, percebemos como principais dificuldades que atrapalham os estudos são as de caráter pessoal como insegurança, desorganização, preguiça,  falta de tempo etc., e circunstanciais, como falta de apoio familiar, trabalho e distrações com o celular.

A orientação de um Coach é fundamental?

JD- Passar pelo processo de coaching não é fundamental para aprovação. A maioria dos concurseiros(as) já estão no caminho certo e não precisam desse apoio. Ademais, é importante registrar a existência de inúmeros métodos de coaching “infalíveis” para aprovação que na realidade podem levar o estudante a colocar sua saúde mental em risco.

Sugiro que, primeiramente, o estudante procure conversar com amigos que já estudaram para concursos e avaliem com seriedade a real necessidade desse auxílio. E, por fim, procurem profissionais especializados e com expertise na área do concurso pretendido, antes de qualquer decisão.

Qual a mensagem que você passa aos novos concurseiros?

JD – Para um estudo efetivo é necessário, primordialmente, organização, qualidade e administração do tempo. Posteriormente, passar será uma questão de tempo para quem aprende a estudar e a fazer provas.

João Duque é Defensor Público do Estado de Pernambuco, Chefe de Gabinete do DPG-PE, Secretário Executivo do Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais, Professor, Coach e Mentor para carreira de defensor público, especialista em direito administrativo e direito constitucional e autor de obras jurídicas.

https://www.instagram.com/joaoduque/

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close