NOTÍCIAS CORPORATIVASSegurança patrimonial e eletrônica

Mercado brasileiro de software cresce no contexto mundial

Cloud, segurança, mobilidade, colaboração e comunicação se destacam na recuperação dos investimentos em TI. Essa é uma das constatações do levantamento “Mercado Brasileiro de Software – Panorama e Tendências 2020”, publicado pela ABES e IDC

O Brasil representa no mercado de TI mundial 1,8%, mas na América Latina significa 40,7%

Para 2021 as previsões são de recuperação, com reação sólida nos investimentos de TI no Brasil no pós-COVID-19, o que coloca a projeção de crescimento para o próximo ano na casa dos 10%. Temas como cloud, segurança, mobilidade, colaboração e comunicação se destacam nesse contexto.

As informações são do levantamento “Mercado Brasileiro de Software – Panorama e Tendências 2020”, publicado pela ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software em parceria com a IDC.

“São dados bastante animadores, após o furacão que passamos e o atual cenário ainda não normal. Segundo o estudo, dentro do segmento de TI, o mercado de software apresentou crescimento mais acentuado em 2019, da ordem de 16%. Já os softwares e serviços para exportação aumentaram 29%, em comparação ao mesmo período do ano anterior”, analisa Odilon Costa é CEO da Tree Solution .

Diante do mercado mundial, o Brasil representa no mercado de TI, 1,8%, mas na América Latina significa 40,7%. O estudo apontou que existem 21.020 empresas dedicadas ao desenvolvimento e produção de software, distribuição e prestação de serviços no país, sendo que 58,3% têm como atividade principal o desenvolvimento e produção de software ou prestação de serviços.

Considerando que 5.519 empresas atuam no desenvolvimento e produção de software, cerca de 95,3% podem ser classificadas como PME, segundo o critério de até 99 funcionários. Praticamente 50% do mercado usuário é composto por empresas de Finanças, Serviços e Telecom, seguidos por Indústria e Comércio.

Em relação à vertical governo, houve recuperação em 2019 em relação aos anos anteriores, passando de uma participação de 3,7% do mercado para 6,3%. Ao mesmo tempo, a vertical comércio apresentou o maior aumento nos investimentos em TI no ano de 2019, cerca de 16,9%.

Em termos de equipamentos e mobilidade, os smartphones lideram o crescimento do setor, com taxa de 8,8%, seguidos por notebooks, com 4,5%, e desktops com 3,8%. No segmento da computação em nuvem, o mercado mostrou crescimentos expressivos em 2019.

As soluções SaaS tiveram aumento de 48,7%, ao mesmo tempo que as PaaS cresceram 55,4%. Em IoT, o mercado (incluindo hardware de conectividade, software e serviços) também cresceu, com uma taxa de 18,7% em relação a 2018. “A IDC acredita em uma reação sólida nos investimentos em TI no Brasil no pós-COVID-19, o que coloca a projeção para 2021 na casa dos 10%”, ressalta Costa, da Tree Solution .

Além disso, alguns aspectos mostram as tendências que se anunciam neste segmento:

EXPECTATIVA PELA LGPD – ainda há muito por fazer porque quase 2/3 das empresas ainda estão em processo de adequação, acelerando os investimentos na área, apesar da pandemia. Por essa jornada passam aplicações, processos, novos papéis e haverá um “boom” de solicitações de privacidade. As empresas terão de descartar muitas informações mantidas de forma inadequada, na medida em que os usuários também se movimentarão para controlar sua pegada digital;

ANALYTICS E IA – ambos estão cada vez mais entrelaçados, causando uma mudança importante no mindset das empresas: projetos menores e mais direcionados. A ideia é resolver uma dor e, então, avançar para a próxima. As ferramentas Open Source ganham espaço, neste cenário, onde as empresas privilegiam o autosserviço e a autonomia para criação. Ainda assim, cerca de 64% das empresas pretendem contratar consultorias especializadas (de TI ou de negócios) para auxiliá-las;

UMA NUVEM PARA CADA NECESSIDADE – atualmente mais de 2/3 das companhias têm algum tipo de iniciativa em nuvem pública. Além de IaaS, já consolidado como modelo de infraestrutura flexível e escalável, PaaS vem ganhando relevância concentrado nos cinco principais provedores, que somam hoje mais de 65% do mercado. A nuvem privada, por sua vez, atende necessidades mais específicas de modernização e controle, comuns em algumas verticais ou em ambientes heterogêneos e complexos. Em grandes empresas é possível identificar até 25% do orçamento externo de TI voltado ao modelo de nuvem privada;

MODERNIZAÇÃO DE APLICAÇÕES – o avanço da nuvem dentro das organizações tem se deparado com aplicações ainda não modernizadas. Atualmente, apenas 27% das aplicações já progrediram em arquiteturas habilitadas para a nuvem. Estudos da IDC mostram que Containers são a abordagem preferida para a modernização. Contudo, além do investimento necessário para modernizar, a familiaridade com a tecnologia ainda é uma barreira: pouco mais de 1/3 das empresas têm algum nível de familiaridade com Containers;

SD-WAN/SERVIÇOS GERENCIADOS DE REDE E SEGURANÇA – os clientes têm se mostrado pragmáticos ao tomar decisões inicialmente baseadas por reduções de custos, por isso, as redes devem ser tão ágeis quanto as aplicações que passam por elas. A tendência do mercado indica amadurecimento e consolidação com foco em Management Services e as funções de rede e segurança serão, cada vez mais, virtualizadas;

TRANSFORMAÇÃO DAS OPERADORAS ACELERA A MASSIFICAÇÃO DE SERVIÇOS DIGITAIS – as operadoras têm se empenhado em diversificar os portfólios de serviços e soluções para se tornarem mais robustos e completas. Managed Services e Professional Services estão cada vez mais presentes nas ofertas para o segmento B2B. Esse movimento proporciona ao SMB a adoção de soluções digitais, antes só consumidas por grandes clientes, tornando as operadoras um vetor de digitalização. Serviços que orbitam a conectividade, como segurança, serviços gerenciados, serviços profissionais, IoT e infraestrutura (tanto equipamentos como IaaS), terão maior êxito.

DAAS – essa modalidade tem sido uma alternativa local para fabricantes e provedores e o país terá um grande crescimento na comercialização de produtos “como serviço”, porque ainda há muito potencial para expansão.

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close